quinta-feira, 20 de agosto de 2009

José Fanha

Em 1977, está agora a fazer 30 anos, eu tinha 26 anos e participei num concurso de televisão muito, muito popular. Chamava-se “A Visita da Cornélia”.

O concurso tinha sido inventado pelo Zé Fialho Gouveia e pelo Raul Solnado. E era tão popular que até tinha uma revista todas as semanas, a “Vacavisão”.

Cada concorrente tinha um par. O meu par era a minha amiga Alice Brito.

Cada par tinha de cumprir 10 provas. Algumas eram provas criativas como dança, teatro, quadra, texto sob um tema, canção. Essas provas eram pontuadas por um júri que era formado pelo Raul Calado, a Maria João Seixas, o Luís de Sttau Monteiro, a Maria Leonor e o Paulo Renato.

Havia outras provas que não eram criativas e não tinham de ser pontuadas pelo júri: como deitar bonecos a baixo com bolas de pano, responder a perguntas sobre um romance que era obrigatório ler com antecedência, descobrir diferenças entre dois desenhos aparentemente iguais, etc.

O concorrente mais bem pontuado ia para um podium e ali ficava semana após semana até que outros concorressem tivessem maior pontuação e os tirassem de lá. Fiquei 13 semanas no podium. Por isso toda a gente na rua me conhecia e vinha falar comigo. Eu era uma vedeta. Mas ser vedeta tem vantagens e desvantagens. Um dia destes conto o resto.

Blog de José Fanha, 18/10/2007

Voltei a cruzar-me com o Sttau no concurso "A Visita da Cornélia". Ele pertencia ao júri. Eu era concorrente. Convivemos durante 13 semanas intensas, com momentos emocionantes, nomeadamente as sessões do concurso no Porto onde ele, eu, o Pitum, o Assis Pacheco e outros, fomos ameaçados e até mais que ameaçados por uns patetas de uns rapazitos neo-nazis.

Blog de José Fanha, 14/10/2008

imagem

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Golpe de teatro no pódio da "Cornélia"

Entram José Fanha e Hugo Maia Loureiro para o pódio

DN, 17/08/1977